19 outubro 2015

964




Esse é o número de dias que tentei esquecer. Esquecer a Ana, a Mia, vocês, a dor, as feridas, eu. No inicio é difícil virar a cara para um hábito, primeiro se aprende a andar, depois correr não é mesmo? Bem, as feridas cicatrizaram e enterrei esse mundo apodrecido embaixo de muitas mentiras, mas mesmo assim não me senti livre, senti o nada. Antes de digitar cada palavra pensei e chorei por mim, por todas nós, não tem como sair, elas sempre irão te encontrar não importa onde você se esconda ou onde as enterre, elas farejam a fraqueza como lobos famintos, com pressa para possuírem sua alma.
Minha amiga morou um tempo na Califórnia, ela era quem queremos ser, perfeita, após alguns meses ela percebeu a facilidade de cair na tentação dos lanches rápidos, logo, possuía 15kgs a mais. Ela voltou insegura, mas tentou me mostrar que estava bem e feliz, mas eu notava seus olhares para o espelho, eu pensei que se ela era tão fabulosa com aquele peso eu também poderia ser... mentiras, mentiras e mais mentiras... ela mudou para outra cidade e nãos nos falamos tão regularmente, até que -

Heey como você está?
Oii fofinhaa eu tô bem e você?
Estou bem bem
Aaai que saudade de você gorda
Também estou!!
..........
Você voltou a ser magra?
Aaai amiga voltei a ser raquítica, estou odiando, por quee?
Nada de mais.

Quando ela era minha igual não me chamou de gorda uma vez sequer. Foi o suficiente para que eu escutasse as gargalhadas da Ana, e isso queimou em meus olhos e em meu peito e eu cai em queda livre rumo a escuridão. Nunca imaginei que minha amiga me jogaria para os leões. Talvez ela só tenha me dado uma desculpa para ir andando em direção a eles.

Me traga para casa em um sonho ofuscante, através dos segredos que eu já conheço, lave a tristeza pra fora da minha pele e me mostre como é estar inteiro novamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário